Investigado por extorsão e ameaças, sindicalista é levado ao CDP do Putim

Ivam Rodrigues, do Sintricom, foi preso preventivamente na quinta-feira (27); ele estava em frente à refinaria quando foi abordado por policiais militares

Foto: Reprodução TV Globo RJ

O sindicalista Ivam Rodrigues, investigado por extorsão a empresas e ameaças a trabalhadores, foi transferido para o Centro de Detenção Provisória do Putim. Ele foi preso na manhã da quinta-feira (27) em frente à Refinaria Henrique Lage (Revap).

Havia uma ordem judicial para que ele não se aproximasse do local e também um mandado de prisão preventiva contra ele expedido pela Justiça Federal por causa de ameaças.

O pedido de prisão havia sido feito pelo Ministério Público Federal após denúncias de ameaças e descumprimento de medidas cautelares.

Ivam é investigado pela Polícia Federal pela atuação no Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias da Construção e Montagem Industrial (Sintricom). Ele nega as acusações e diz que é alvo de perseguição.

Em outubro de 2019, a PF promoveu a operação ‘Pau na Gata’, com objetivo de desarticular uma organização criminosa voltada a prática de crimes de extorsão, ameaça e crimes contra organização do trabalho praticados, em tese, por representantes do sindicato contra trabalhadores terceirizados da Revap.

Na ocasião, o policiais apreenderam R$ 260 mil em dinheiro, uma pistola com silenciador e numeração raspada, munições de .380, um bloqueador de sinais de celular, computadores e documentos.

As investigações tiveram início após denúncias de várias empresas terceirizadas da Revap. Elas denunciaram que a ação do sindicato era extremamente violenta, com depredação de ônibus e de veículos particulares, ataques às casas de empregados das empresas, inclusive com disparos de arma de fogo, entre outras.

Em entrevista à Globo no início do ano, Ivam negou as ameaças e extorsão para forçar as contratações de pessoas ligadas ao sindicato. “As empresas falam que muitas vezes aqui na nossa base territorial não tem mão de obra especializada. E o sindicato tem um banco de dados. Aí eu ofereço”, disse.

Ivan negou ser dono da arma apreendida no sindicato e disse que o dinheiro apreendido em operação no local é lícito. Ele ainda acusou empresas de infiltrar pessoas em movimento para reprimir trabalhadores.

A investigação da Polícia Federal teve início após confusões envolvendo sindicalistas na portaria da Refinaria Henrique Lage.

Os incidentes tiveram início por causa da contratação de terceirizados para trabalhar na refinaria. Foram quase 70 boletins de ocorrência contra sindicalistas e desde 2019 a Polícia Militar escolta ônibus com funcionários até o trabalho.

Alguns atos chegaram a terminar em confusão. Em junho de 2019, cinco pessoas foram detidas após conflito na portaria da refinaria. Em fevereiro do mesmo ano, os sindicalistas chegaram a fechar a marginal da Dutra e foram dispersado pela Polícia Militar.

Em ocasiões anteriores, o sindicato alegou que a presença na portaria da Revap era para fazer assembleias e fiscalizar o cumprimento do acordo coletivo, que prevê contratação de mão-de-obra local. Desde o início, os sindicalistas alegam que essa cláusula não é cumprida, o que é contestado pelas empresas terceirizadas.

 

LIFE | cotidiano - Publicado 15:07 | - Redação

Compartilhe:

A LIFE INFORMA é um portal de notícias regionalizadas de São José dos Campos -SP.
Quer receber notícias pelo Telegram clique: https://t.me/lifeinform
Denúncias, reclamações e informações: Nossa redação 12 98187-2658
Baixe nosso aplicativo para facilitar ainda mais o seu acesso.

Apple APP
Android APP

LIFE | ANÚNCIO DE PARCEIRO

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *