Transtorno do pânico, um intenso ataque de ansiedade!

Medicina o define como um período de muito medo ou desconforto, que pode durar até trinta minutos e vem acompanhado de fortes sintomas psíquicos e somáticos

Uma crise considerada moderna, que apesar de passar despercebida pela maioria das pessoas, atormenta até 2% da população mundial.     A síndrome do pânico, como é popularmente conhecida, é um transtorno de ansiedade generalizada, em que a preocupação e tensão são predominantes e podem durar até trinta minutos.
“Os ataques de pânico estão entre os diagnósticos mais frequentes que levam os pacientes a procurar atendimento em serviços clínicos de emergência. 90% dos pacientes acreditam que têm um problema físico e não um problema psiquiátrico ou psicológico”, afirma o psiquiatria Carlos H. Ferreira Banys. O especialista explica que é muito comum o paciente fazer uma verdadeira “peregrinação”, consultando-se com médicos de outras áreas e fazendo diversos exames desnecessários.
“As queixas somáticas variam e vão de diarréia e náusea à dificuldade de respirar, sensação de sufocação, dor no peito e tonteira”, acrescenta, antes de enfatizar que o transtorno tem início súbito e atinge o grau máximo rapidamente.  Conforme abordagem do psiquiatra podem ocorrer diversos tipos de ataque de pânico.
“O mais comum é o ataque espontâneo, definido como aquele que não está associado a nenhuma situação desencadeadora conhecida. Outro tipo é o situacional, que ocorre quando o indivíduo se depara ou expõe a certas situações, como por exemplos trânsito e multidões”, conta.

Um fato interessante é que cerca de 40% dos pacientes apresentam ataques durante o sono, caracterizados por despertar súbitos e terror. “Também existem os ataques relacionados a contextos emocionais, como problemas familiares”, completa o médico. Apesar de “bem conhecida” pela medicina, o transtorno segue produzindo novas teses e fases pelos especialistas. Uma delas trata sobre a evitação fóbica. “As pessoas ficam tão amedrontadas de sofrerem um novo ataque que evitam estar em locais de onde seja difícil ou embaraçoso escapar ou obter ajuda perante o risco de uma nova crise. É chamada de ‘agorafobia’. Ela está associada ao medo de perder o controle, desmaiar ou morrer, em aspectos como ficar sozinho em casa, rua ou locais que concentram grande público”, frisa o médico.
Para minimizar o caso e se sentir “protegido”, o entrevistado conta que o paciente prefere andar acompanhado, mesmo se a companhia for incapaz de ajudá-lo, como uma criança ou animal de estimação. “Um indivíduo ‘agorafóbico’ pode ficar totalmente limitado e incapacitado de conviver socialmente. A ‘agora-fobia’ pode ser crônica e atuar independente da presença de ataques de pânico. O tratamento médico é essencial para a superação dos traumas”, finaliza.

Conjunto de sintomas que indicam transtorno do pânico

1 – Falta de ar
2 – Vertigem; sensação de desmaio
3 – Palpitações ou ritmo cardíaco acelerado
4 – Tremor ou abalos
5 – Sudorese
6 – Sufocamento
7 – Náusea ou desconforto abdominal
8 – Despersonalização
9 – Anestesia
10 – Ondas de calor ou frio
11 – Dor ou desconforto no peito
12 – Medo de morrer
13 – Medo de enlouquecer ou cometer ato descontrolado

 

LIFE | saude - Publicado 21:41 | - Redação

Compartilhe:

A LIFE INFORMA é um portal de notícias regionalizadas de São José dos Campos -SP.
Quer receber notícias pelo Telegram clique: Clique aqui Telegram
Acompanhe em nosso grupo de Whatsapp:  Clique aqui WhatsApp
Denúncias, reclamações e informações: Nossa redação 12 98187-2658
Siga nossas redes sociais: @lifeinforma
Nosso Canal no YouTube:
Entre aqui

Apple APP
Android APP

LIFE | ANÚNCIO DE PARCEIRO

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *