Do morro do Regaço à regularização; 18 anos de luta e superação

Aliviadas, 25 famílias celebram recebimento da escritura da casa própria no Jardim Brasília, zona leste de São José dos Campos 

Foto: Life

Em meio à pandemia, 2021 começou com uma excelente notícia para 25 famílias de São José dos Campos.  Despejadas há 18 anos da Vila Nova Tatetuba, local que era conhecido como “Morro do Regaço”, elas, enfim, receberam as escrituras das casas no bairro Jardim Brasília, zona leste de São José dos Campos. A regularização da documentação foi possível graças à lei municipal 10.078/19, que autorizou o município a doar as 34 unidades habitacionais aos seus ocupantes.

As despesas com a lavratura e o registro das escrituras foram pagas integralmente pelo município, devido à ocupação daqueles imóveis serem de interesse social. “Começamos o ano com essa excelente notícia, a melhor de todas”, disse Leila Boratt, 49 anos, que mora com o marido e a filha.

Mãe de Leila, a dona de casa Adair Boratt, também recebeu escritura. As duas são vizinhas. “É maravilhoso. Lutamos tanto e não tenho nem condições de explicar esse momento”, afirmou Adair.

Entrega dos títulos corrige injustiça cometida há 18 anos, avalia Defensor Público

Segundo o defensor público, Jairo Salvador, a entrega das escrituras corrige uma injustiça cometida no início dos anos 2000. “Naquela ocasião, supostamente em nome dos interesses da cidade, as pessoas daquela comunidade foram expulsas, em pleno período natalino, sob o argumento de que suas casas estavam em área de risco. Tiveram seus pertences destruídos, foram ofendidos e humilhados e não conseguiram sensibilizar o Judiciário, mesmo provando, com um laudo do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) que o risco alegado não existia. Viram seus ex-vizinhos, que aceitaram a proposta de casas no Jardim São José 2, perderem seus filhos para o tráfico no novo bairro que hoje é chamado pela cidade de CDD, um território de violência criado pelo próprio poder público”, avalia.

Ainda de acordo com Salvador, o reconhecimento do erro pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e pelo município é louvável e deve servir de lição para que o erro não volte a ser cometido em nome dos interesses da cidade. “Não se pode tratar seres humanos como objetos. Foi um longo processo, mas eles conseguiram finalmente provar que estavam certos e terão a paz que merecem com a segurança jurídica de suas propriedades” encerra Salvador.

 

LIFE | cotidiano - Publicado 13:09 | - Redação

Compartilhe:

A LIFE INFORMA é um portal de notícias regionalizadas de São José dos Campos -SP.
Quer receber notícias pelo Telegram clique: https://t.me/lifeinform
Denúncias, reclamações e informações: Nossa redação 12 98187-2658
Siga nossas redes sociais: @lifeinforma

Apple APP
Android APP

LIFE | ANÚNCIO DE PARCEIRO

Comentários:

4 thoughts on “Do morro do Regaço à regularização; 18 anos de luta e superação

  1. Ivan disse:

    Bobo fui eu meus filhos que compraram casas tudo legal, financiamento, pagamentos por 25 anos ….mas fazer o que né?…[email protected] vezes indo pelo carinho na contramão dá mais certo

    • Antonio disse:

      Esta ai outra vez o promotor que gosta de implicar com as obras do PSDB em Sjcampos…… Não precisa falar mais nada, ideologia pura…. ainda fala como se estivesse em Sjcampos quando a desocupação foi realizada, nem promotor ele era e nem de sjcampos é!!!!

  2. Paulo Reschilian disse:

    Muitas pessoas tendo em vista que se paga desde sempre salários baixos para os trabslhadores brasileiros são obrigados, porque não evaporam após a jornada de trabalho, terem casa e terra.
    E muitas vezes são terras longínquas ou baratas irregulares p ir conta de camisa famosas de grileiros que se pode comprar…e muitos não.podem comprar e ocupam os vazios urbano
    Força aqueles que lutaram

  3. Joaquim Silva disse:

    Também acho uma boa ação.
    Mas por outro lado, como ficam as milhares de pessoas que não invadem o alheio?
    Seguramente, esta “boa ação” além de entristecer “concorrentes” honestos, ainda irá incentivar mais e mais invasões e desordem.
    É uma boa notícia, mas, a meu ver, não deveria ser levada ao grande público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *