Justiça determina paralisação das obras da ponte estaiada!

E também estabelece audiência de conciliação entre prefeitura e Ministério Público para o dia 22

PMSJC

Mais um capítulo na novela que envolve a construção da ponte estaiada, na rotatória do Colinas. A Justiça determinou a paralisação imediata da obra. A liminar foi concedida nesta sexta-feira (15) pertence à 1ª Vara da Fazenda, atende uma ação civil do Ministério Público e é assinada pelo juiz Silvio José Pinheiro dos Santos.
O MP, por meio do promotor Gustavo Médici, alega que não houve estudo e ainda questiona a real eficácia do projeto – que priorizaria o transporte individual em detrimento ao coletivo. Uma audiência de conciliação entre a prefeitura e o MP foi marcada pela Justiça para o dia 22 de fevereiro – ocasião em que a liminar será reavaliada.

A ponte – O projeto prevê que, sob a ponte na rotatória do Colinas, sejam construídos dois viadutos (superior e inferior), que servirão de ligação entre as avenidas São João – Jorge Zarur (sentido sul) e Jorge Zarur – Cassiano Ricardo (sentido Aquarius). Estes acessos ficarão em formato de “x”. O viaduto inferior (Zarur – Aquarius) terá 267 metros de comprimento e o superior (São João – Zarur), 349 metros. O BID é o financiador da obra, que possui custo de R$ 48,5 milhões e previsão de término para novembro de 2019.

A Prefeitura de São José dos Campos ainda não foi notificada dessa decisão.

LIFE | cotidiano - Publicado 17:16 | - Redação

Compartilhe a Life Informa:

A LIFE INFORMA é um portal de notícias regionalizadas de São José dos Campos -SP.
Acompanhe em nosso grupo de Whatsapp:  Clique aqui WhatsApp
Quer receber notícias pelo Telegram clique: Clique aqui Telegram
Denúncias, reclamações e informações: Nossa redação 12 98187-2658
Siga nossas redes sociais: @lifeinforma
Nosso Canal no YouTube: Entre aqui

Apple APP
Android APP

LIFE | ANÚNCIO DE PARCEIRO

Comentários:

5 thoughts on “Justiça determina paralisação das obras da ponte estaiada!

  1. Luciano Nunes Costa disse:

    Ë preciso apurar pois a obra deve ser bem justificada e o valor dela levantado preços compatíveis

  2. Leandro disse:

    É uma intromissão indevida do judiciário no executivo. Priorizar um tipo de transporte ou outro é uma decisão política, a ser tomada por um representante embuído de poder pelo voto e não por funcionários concursados. O modelo de desenvolvimento da cidade é função das escolhas daquele que os eleitores da cidade elegeram. Esse terceiro turno judiciário é um absurdo.

  3. Henry Mancini disse:

    O Judiciário mais uma vez se intrometendo no Executivo, deixando a obra muito mais cara e atrapalhando a vida das pessoas. Juiz sem noção!

  4. Aquariano disse:

    Enquanto isso, povo, paguem a conta, do salário do Juíz e do custo imoral da obra! Vida de gado!

  5. Alminda toledo disse:

    Quando o executivo não trabalha direito cabe ao cidadão recorrer junto ao judiciario é assim em sociedade civilizada e democratica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.