Rússia quer ter estrutura pronta um ano antes da Copa de 2018


A Rússia, sede da Copa de 2018, já trabalha duro para ter a sua estrutura pronta um ano antes do torneio. Dois estádios, em Sochi e Kazan, estão prontos. A arena do Spartak será inaugurada no próximo dia cinco de setembro. A promessa dos organizadores é que até 2017, na Copa das Confederações, todos os 12 estádios nas 11 sedes serão entregues.

Com orçamento previsto de US$ 20 bilhões (50% verba federal e 50% de recursos privados), o objetivo é expandir a rede de trens de alta velocidade para ligar as cidades. As distâncias são consideráveis, seis das sedes estão localizadas a mais de mil quilômetros de distância de Moscou. Sochi, que recebeu este ano os Jogos Olímpicos de Inverno, está a 1.679km da capital.

Confira as sedes da Copa de 2018 na Rússia:

Para amenizar o impacto dos deslocamentos, será feita uma divisão em quatro regiões geográficas. Cada sede receberá no mínimo quatro e no máximo seis jogos. A primeira partida e a final acontecerão no estádio Luzhniki, que recebeu as cerimônias de abertura e encerramento da Olimpíada de 1980, e que agora está sendo reformado.

Para que tudo funcione bem, uma delegação russa veio ao Brasil observar todos os detalhes da Copa de 2014. No Rio, a casa da Rússia foi montada no Museu de Arte Moderna, no Aterro do Flamengo. O CEO do Comitê Organizador 2018, Alexey Sorokin, falou a ZH sobre os preparativos. Confira:

O Brasil sofreu com atraso nas obras da Copa, mas no fim deu tudo certo. Na Rússia as obras estão dentro do prazo?

Já temos prontos dois estádios. Aeroportos, ônibus, rodovias e trens tem boas condições e vamos melhorar e construir novos. Vai ficar tudo pronto antes, não tenho nenhuma dúvida.

Há casos recentes de racismo em estádios da Rússia. O Zenit teve problemas com isso. Como vocês vão lidar com esta situação?

Criamos um programa para acabar com o racismo nas arenas. Não vamos tolerar comportamentos inadequados. A Copa de 2018 será inclusiva e não discriminatória. Quem errar, será banido dos estádios. Estamos muito empenhados nisso.

No Brasil se discutiu muito a questão do legado. O que vai ficar para o país depois de 2018?

Teremos aquele legado que dá para ver e tocar, como estádios, aeroportos, estradas e trens. Mas vamos trabalhar muito para ter o legado humano. Queremos deixar esta marca. O presidente Vladimir Putin será um grande anfitrião, assim como foi em Sochi.

Vocês temem risco de protestos?

Temos índices de aprovação superiores a 70%. Quem for para a Rússia não vai se arrepender. Cidades lindas, um povo receptivo. Estamos trabalhando para aumentar o numero de pessoas que falam inglês. Vai ser inesquecível.

Em relação a preços de hotéis, passagens e deslocamentos. Será uma Copa cara para os turistas?

Nada diferente dos últimos mundiais. No Brasil também não foi barato. Ficará na média de todas as Copas.

O desempenho da Rússia nesta Copa foi fraco (caiu na primeira fase). Isso preocupa?

Não é minha área, mas confio muito no Fabio Capello. Temos bons valores. Acho que em 2018 será diferente. Todos esperam uma grande campanha.


LIFE | cotidiano - Publicado 08:00 | - Redação

Compartilhe:

A LIFE INFORMA é um portal de notícias regionalizadas de São José dos Campos -SP.
Quer receber notícias pelo Telegram clique: https://t.me/lifeinform
Denúncias, reclamações e informações: Nossa redação 12 98187-2658
Siga nossas redes sociais: @lifeinforma
Nosso Canal no YouTube: Entre aqui

Apple APP
Android APP

LIFE | ANÚNCIO DE PARCEIRO

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *