Fluxos: Um problema meu e seu. De todos. Da sociedade

Alvo de reclamações constantes dos joseenses, reunião de jovens regados a funk chulo, drogas e álcool não deveria ser assunto de polícia. Problema começa dentro de casa – onde também está a solução. Por Marco Osio Pugliesi

Foto: Ilustrativa

Poucas práticas da atualidade conseguem desagradar tanta gente como os fluxos de funk. Sejam pelo som insuportável e vulgar, consumo de drogas e bebidas ou pela sujeira devastadora, os chamados fluxos ocorrem pelos quatro cantos da cidade sem restrições entre áreas nobres ou periféricas. Daí eu lhe pergunto, prezado leitor: qual a semelhança entre o Jardim Aquarius e o Campos dos Alemães? O repúdio por estas aglomerações! Sim, o fluxo incomoda tanto os mais favorecidos quanto os menos favorecidos.

Já dizia minha mãe lá nos idos dos inesquecíveis anos 70: educação vem de casa. Não se aprende na rua. E nem na escola! Como frequentar um local regado por práticas ilegais? Como participar de uma aglomeração tendo a plena ciência de que a sua “diversão” certamente incomoda centenas de idosos, crianças e doentes?

Não consigo imaginar a resposta. Mas é isto o que faz milhares de jovens, sejam eles moradores do Aquarius ou do Galo Branco. E qual a função da polícia nestes casos? Zelar pela ordem pública! E é o que a polícia faz, nobre leitor! Agora é humanamente inviável deslocar centenas de homens responsáveis pela segurança pública para acabar com fluxos espalhados pelos quatro cantos da cidade. Até porque no Brasil se alcoolizar em local público não é proibido, desde que não represente ameaça ao sossego público. A pergunta que fica é: onde estão os pais deste garotos e garotas?

Não se trata de um problema diretamente ligado à segurança pública. E sim relacionado à falta de educação e à ausência de cidadania. De jovens criados sem limites. Minha amada mãe também dizia há mais de 40 anos: o meu limite termina onde começa o seu, amigo leitor! Por estas e outras que lhe convido a raciocinar.

O fluxo é sim um problema meu. E seu. De toda a sociedade! Que continuemos fazendo nosso papel de cidadão. Denunciando. Ensinando aos nossos “sucessores” nesta vida os verdadeiros significados das palavras respeito e educação! É o que nos cabe! Excelente leitura e até outubro. Forte abraço!

Este texto é autoral e não representa opinião da Life

LIFE | cotidiano - Publicado 12:08 | - Redação

Compartilhe:

A LIFE INFORMA é um portal de notícias regionalizadas de São José dos Campos -SP.
Quer receber notícias pelo Telegram clique: https://t.me/lifeinform
Denúncias, reclamações e informações: Nossa redação 12 98187-2658
Siga nossas redes sociais: @lifeinforma

Apple APP
Android APP

LIFE | ANÚNCIO DE PARCEIRO

Comentários:

2 thoughts on “Fluxos: Um problema meu e seu. De todos. Da sociedade

  1. Jardel disse:

    É só a polícia começar a descer o cacete nestes marginais que acaba com isso! O problema é que a polícia tem as mãos amarradas e as que não tem tem o bolso comprometido! Traficante, burguês e políticos andam juntos a anos também. Situação difícil de combater se não for com a força. As pessoas ficam e acompanham aquilo que é impune, começa a descer o cacete nestes aglomerados de vândalos e logo isso acaba. Só que vem a opinião pública e fala coitadinhos, a polícia é agressiva nossa que horror pra que usar a força etc. Só no Brasil as autoridades permitem que vândalos tenham razão e quebrem as leis e ainda são coitadinhos. Qualquer hora algum morador vai perder a cabeça e meter bala nestes FDP, depois vai ser um monte de pai chorando a morte de filho safado e que vai se transformar em menino bom e estudante e a imprensa vai malhar o cidadão que não aquenta mais ver tanto abuso onde as autoridades (juízo, MP, polícia) não fazem nada!

  2. Rubens de Camargo disse:

    Ótima explanação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *