Apesar dos vazamentos constantes, Sabesp considera normal rede de esgoto do Aquarius

Construídas na década de 80 para atender apenas condomínios horizontais, tubulações nunca foram modificadas mesmo com a explosão vertical ocorrida no início dos anos 2000

Foto Life

Alvo de críticas constantes dos moradores, a rede de esgoto do Aquarius funciona dentro da normalidade, conforme avaliação da Sabesp feita a pedido da Life. Não há previsão para investimentos e adequações no sistema, conforme a empresa. Mas, o bairro vem registrando vazamentos com frequência em pontos nas avenidas Alfredo I. Penido, Salmão, Orlando Feirabend e Comendador V. de Paula – além das ruas Armando Cobra, Piabas, Osvaldo Lecques e David Barrilli.

Responsável pela elaboração da rede de água e esgoto do Jardim Aquarius, o engenheiro civil Ceber Poli Veneziano trabalhava em uma das construtoras que ergueram os primeiros prédios do bairro no final da década de 80: Altos do Esplanada 1 e 2 (87 e 88), Silver e Golden Park (89/90). “Ninguém mexeu na rede de esgoto até hoje. A rede está saturada, foi projetada para casas. Por isso ocorrem os vazamentos. Existe solução: é preciso investimento e manutenção”, avalia o engenheiro, um dos pioneiros na história do desenvolvimento do Jardim Aquarius. “Foi um bairro pensado para ser loteamento residencial, sem a existência de prédio. Toda a área pertencia a Ford e foi comprada por duas construtoras em 85. A rede de esgoto foi projetada antes do surgimento dos prédios”, afirma.
Após insistência da Life, a empresa esclareceu alguns pontos sobre a rede de esgoto da região. Confira resumo abaixo.

Foto Rede Social (gostaríamos de saber do autor)

A rede de esgoto do Aquarius é eficaz?
A rede de esgoto do Jd. Aquarius funciona dentro da normalidade do sistema de esgotamento sanitário do município de São José dos Campos. Situações pontuais como obstrução e vazamentos acontecem, mas estão relacionadas, muitas vezes, com o descarte irregular que causam entupimentos.

Como funciona a rede? Todo esgoto é tratado?
Sim, todo o esgoto coletado é tratado. O esgoto é encaminhado ao coletor Senhorinha, localizado às margens do córrego, de lá segue para a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Lavapes para o processo de tratamento.

Prédios do bairro jogam água pluvial na rede?
As ligações clandestinas causam uma série de problemas na rede coletora de esgoto, como odor, entupimentos (devido ao acúmulo de areia) e extravasamento nas redes. A Sabesp retira, em média, 4 toneladas de areia da ETE Lavapes, diariamente. Infelizmente, há ligações irregulares em vários pontos da cidade, inclusive no Jardim Aquarius. A Sabesp reforça mais uma vez que o problema de entupimento ocorre, principalmente, por conta do mau uso da rede coletora pela população que acaba jogando lixo e resíduos sólidos nas instalações. Ou ainda lançando água pluvial na rede. É importante que os moradores verifiquem se os ralos e calhas estão enviando a água de chuva para a galeria pluvial e não para a rede de esgoto.

Como a Sabesp monitora quando algum prédio joga água pluvial na rede de esgoto? Quais providências são tomadas?
A fiscalização é feita em conjunto por Sabesp e Prefeitura de São José dos Campos, através da Secretaria de Manutenção da Cidade, o DFPM (Departamento de Fiscalização de Posturas Municipais) da Secretaria de Proteção ao Cidadão e a Secretaria de Mobilidade Urbana. Essa fiscalização ocorre em endereços comerciais e residenciais com o objetivo de identificar e notificar imóveis que estejam lançando água da chuva na rede de esgoto, fazendo ligação de esgoto na rede de águas pluviais ou imóveis sem ligações na rede de esgoto. Quando há suspeita de lançamento irregular, a Sabesp faz testes nas tubulações internas, com utilização de corantes, para identificar se a tubulação de águas pluviais está interligada à caixa de esgoto do imóvel. Se confirmado o lançamento irregular, o proprietário é orientado a tomar providência para corrigir a irregularidade. Na semana passada, a força-tarefa realizou ação de fiscalização na região central da cidade. Nos imóveis são vistoriados desde vasos sanitários até os poços de visita das galerias de águas pluviais das ruas próximas.

Como é o cálculo da taxa de esgoto que vem na conta mensalmente? É proporcional ao consumo de água consumida?
Em relação à tarifa aplicada, a Sabesp cumpre o que determina a Arsesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de SP). A estrutura tarifária da Sabesp é constituída por um conjunto de tarifas e regras aplicadas ao faturamento da Companhia em que os usuários são classificados nas categorias divididas em residencial, comercial, industrial e pública. Adicionalmente, a Sabesp possui tarifas diferenciadas para a população com menor poder aquisitivo e as entidades assistenciais sem fins lucrativos, desde que observadas as condições de elegibilidade publicadas e acatadas por órgão regulador, quando for o caso. Em São José dos Campos, a tarifa cobrada pelo esgoto é equivalente a 80% do valor da tarifa de água.

Muitas pessoas têm costume de jogar o papel higiênico no vaso sanitário. Isto atrapalha a rede de esgoto?
A Sabesp recomenda não utilizar o vaso sanitário nem a pia como lata de lixo. Em muitas residências, papel higiênico, fio dental, bitucas de cigarro, restos de comida e gordura e muitos outros resíduos que deveriam ir para a coleta de lixo descem ralo abaixo e causam danos à rede coletora de esgoto. Outro grande vilão da rede de esgoto é o óleo de cozinha. Quando despejado nas tubulações, ele cola dentro dos canos, prendendo junto vários outros resíduos. O resultado é a volta do esgoto para dentro de casa ou para as ruas. Por isso, é importante que o óleo de fritura seja guardado e entregue em postos de coleta para, assim, ser reciclado. Em casos de bares e restaurantes, no entanto, o correto é a utilização da caixa retentora de gordura, de tamanho adequado, assim como estabelecido pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

Curiosidade, de onde vem a água potável que bebemos nas torneiras do Aquarius?
A água é captada do Rio Paraíba do Sul e encaminhada à Estação de Tratamento de Água (ETA), que funciona como uma fábrica de produção de água potável. O processo convencional de tratamento de água é dividido em pelo menos 9 fases. Em cada uma delas existe um rígido controle de dosagem de produtos químicos e acompanhamento dos padrões de qualidade. Após o tratamento na ETA, a água potável que abastece a região do Jardim Aquarius é transferida para o reservatório do Jardim das Indústrias e distribuída para consumo.

Estamos em momento de estiagem, qual recado para população?
A Sabesp informa que realiza acompanhamento diário dos níveis dos reservatórios e mananciais que abastecem os municípios da região do Vale do Paraíba, operados pela Companhia, e que, no momento não há interferência que possa afetar o abastecimento de água nesses municípios. Importante destacar que a queda no nível das represas é normal nesta época do ano devido ao período de estiagem e ao volume de chuvas abaixo da média histórica. No entanto, a Companhia reforça a necessidade de uso consciente da água por todos, em qualquer época do ano. Veja algumas dicas:

1. Use vassoura e balde para lavar áreas como garagem, corredores, dentre outras. Não utilize mangueiras.
2. Não dê descarga à toa e não utilize o sanitário como lixeira. Em apenas seis segundos de válvula acionada vão embora cerca de 12 litros de água
3. Não use água corrente para descongelar alimentos.
4. Fique muito atento a possíveis vazamentos. Eles podem passar despercebidos e são grandes causas do desperdício.

A água da Praça Ulisses Guimarães e Pista de Skate do Aquarius é potável?
Sim, trata-se de água potável. Até chegar ao cavalete, a Sabesp aplica rigoroso controle de qualidade da água em todo o sistema de abastecimento, desde os mananciais. Também realiza coletas sistemáticas de amostras e realização de ensaios laboratoriais, em atendimento à portaria do Ministério da Saúde. As praças não possuem ligação de esgoto, a água é utilizada para manutenção da praça e escorre para a galeria de água pluvial.

E o planejamento futuro com a verticalização do “Terrenos das Vaquinhas”?
Para futuros empreendimentos, a Sabesp sempre realiza análise de impacto na região e emite certidão de diretriz indicando os locais de conexão do empreendimento.

Serviço:
É recomendável que o cliente utilize os canais digitais, como a Agência Virtual disponível no www.sabesp.com.br e aplicativo Sabesp Mobile. A Sabesp também está ampliando as opções de serviços oferecidos pela Central de Atendimento telefônico, já que as agências comerciais estão fechadas em razão da pandemia pelo coronavírus.
Canais de atendimento da Sabesp:
Agência Virtual No site www.sabesp.com.br ou www.sabesp.com.br/agenciavirtual
App Sabesp Mobile: Disponível nas plataformas iOS e Android, permite ainda o envio de fotos da ocorrência junto com a solicitação.
Central de Atendimento: Os números são 195 para emergências ou 0800 055 0195 para serviços comerciais. O atendimento é gratuito e funciona durante 24 horas.

LIFE | aquarius-life - Publicado 10:00 | - Redação

Compartilhe:

A LIFE INFORMA é um portal de notícias regionalizadas de São José dos Campos -SP.
Quer receber notícias pelo Telegram clique: Clique aqui Telegram
Acompanhe em nosso grupo de Whatsapp:  Clique aqui WhatsApp
Denúncias, reclamações e informações: Nossa redação 12 98187-2658
Siga nossas redes sociais: @lifeinforma
Nosso Canal no YouTube:
Entre aqui

Apple APP
Android APP

LIFE | ANÚNCIO DE PARCEIRO

Comentários:

3 thoughts on “Apesar dos vazamentos constantes, Sabesp considera normal rede de esgoto do Aquarius

  1. Jose Rocha disse:

    Vazamento em frente entrada de mercadorias do carrefour.
    Fazem 2 dias que o esgoto é despejado na rua!

  2. Bruno - oficial 👮‍♀️ disse:

    Em alguns pontos, fede, alguns pontos, vaza, mas aqui é o Brasil, terceiro mundo, então, está tudo ok! Quando sair fezes das torneiras, daí, poderá ser considerado anormal! ok?

  3. Georges C. Costaridis disse:

    E vão admitir que a rede está subdimensionada para a ocupação atual? Jamais. A EDP também usou essa artimanha quando as quedas de energia se tornaram constantes até que o povo começou a reclamar sem parar. Mas, como disse o ilustríssimo prefeito que deu uma de migué até poder escolher a vacina de dose única ” o Aquarius está desse jeito por culpa dos moradores de lá”. E até tem razão pois deveríamos ter posto esse bando que administra a cidade pra fazer o que é de interesse da cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *